O que fazerTailandia

Um dia em Bangkok, meu primeiro dia na Tailândia.

Comecemos do começo, amigos! Vou contar sobre o primeiro dia da viagem mais incrível da minha vida e as maravilhas que vivi em um dia em Bangkok, meu primeiro dia na Tailândia. Pra começo de conversa, como boa carioca que sou, em pleno janeiro/fevereiro, um calôdusinferno aqui no Rio, viajei de short e sandália rasteira. Tudo perfeito, afinal, vamos pra Tailândia, lugar quente, sol, uma beleza não é mesmo? Sim! É mesmo! Isso tudo com um porém… Nossa escala era em Dubai. Agora imaginem a cena: eu de short e rasteira desembarcando em Dubai, e todos, absolutamente todos os outros passageiros na sala de desembarque me encarando como se eu fosse um ET. Claro, né? Não me atentei para o pequeno detalhe de que teria que desembarcar em um país árabe, no qual a população em sua maioria é muçulmana. Fiquei tão incomodada com a quantidade de gente que me olhava, que peguei uma legging que guardei na mochila e troquei de roupa. Enfim, paguei o primeiro mico da viagem.

Colunas gigantes e douradas no Gran Palace
Colunas gigantes e douradas no Gran Palace

O cansaço era grande, afinal, do Brasil para Dubai foram cerca de 14h de vôo. Apesar do avião da Emirates ser excelente, a poltrona não é nenhuma cama e o conforto não é suficiente para te fazer relaxar e cair em sono profundo. Comemos qualquer besteira no aeroporto, zanzamos um pouquinho no freeshop e embarcamos pra Tailândia. Foram mais ou menos mais 6h de vôo até desembarcarmos em Bangkok.

Quando o avião pousou, éramos mais empolgação do que cansaço. Nem parecia que havíamos voado 20h para chegarmos ali. Mas, antes de pisar em solo tailandês, a primeira coisa que fizemos foi passar na imigração e depois pegar a nossa bagagem. A fila da imigração estava quilométrica e ficamos uns bons 40 minutos até chegar na nossa vez, mas “thanks God”, deu tudo certo. Pegamos a nossa bagagem (cada mochilinha de 15kg) e fomos catar um táxi.

Tínhamos lido de tudo antes de viajar e nosso maior medo era pegar um taxista malandro que nos cobrasse por um valor absurdo. Acabamos fechando com um taxista do próprio aeroporto, que na verdade era uma van. Como estávamos em sete, e muito cansados, achamos que estava muito bom e fomos logo, porque estávamos doidos pra chegar no hostel e tomar um banho pra sair e conhecer Bangkok.

A flor de lótus, símbolo do budismo, enfeita os templos. São muitas de várias cores.
A flor de lótus, símbolo do budismo, enfeita os templos. São muitas de várias cores.

Bom, chegando no nosso Hostel, que recomendo muitíssimo (Wendy House), descobrimos que um de nós teria que ficar sozinho, pois não tinham quartos disponíveis para que pudéssemos dividir. Os meninos ficaram os quatro no mesmo quarto, e as meninas sobraram para ficarem separadas. Eu fiquei no quarto sozinha, mas logo tratei de me mudar pro quarto delas e ficar por lá mesmo até que o quarto maior ficasse disponível pra nós três.

Depois de descansar da longa viagem, estávamos prontas para conhecer a cidade!
Depois de descansar da longa viagem, estávamos prontas para conhecer a cidade!

No primeiro dia de fato, estávamos tão cansados que não fizemos nada. Mas o segundo dia é que contamos como primeiro, pois foi quando realmente acordamos cedo e partimos pra conhecer a cidade. Nossa ideia era ir aos principais templos budistas, que são os pontos turísticos mais conhecidos de Bangkok. Então no primeiro dia conhecemos o Grand Palace e o Wat Pho.

Chegamos no Grand Palace e estava lotado de gente. E gente de todos os lugares: brasileiros, chineses, europeus, americanos, etc., enfim, um mar de gente que queria conhecer o principal templo de Bangkok.

No Gran Palace, tudo é muito grandioso e dourado
No Gran Palace, tudo é muito grandioso e dourado

Pra conhecer e entrar nos templos da Tailândia, existe um dress code. É preciso usar roupa simples, sem rasgos, decotes, pernas aparentes ou ombros de fora. Eu, minha irmã e cunhada usamos uma saia longa e uma camisa de manguinha curta. Normal. Mas, se você não tiver, pode amarrar uma canga, ou usar o sarong deles, que é pago. Por mais incrível que pareça, com a confusão da entrada, meu irmão passou com uma calça jeans que tinha um rasgo no joelho. Não era nada demais, mas eles levam isso bem a sério. Chegando no templo, nosso grupo se dividiu em dois e meus irmãos e cunhada acabaram saindo antes de mim e de nossos três amigos. Ao tentarem entrar para nos encontrarmos de novo, meu irmão foi barrado porque sua calça tinha esse “rasguinho”.

Bom, voltando ao início do templo, compramos o ingresso, que custou cerca de 400 Baht, e entramos no Grand Palace. Ao entrarmos, eu me deparei com uma dos lugares mais lindos que já vi. Imaginem um palácio todo dourado, com portas e estátuas altíssimas.

Jardim do Grand Palace
Jardim do Grand Palace
Corredor que leva para sala do Buda de Esmeralda
Corredor que leva para sala do Buda de Esmeralda

No final do Templo, que é no fim do corredor (desta foto acima), você entra na sala do Buda de Esmeralda, que é a principal atração do Grand Palace, porém não podemos filmar ou fotografar. Esse daí vocês terão que ver pessoalmente! Ele é lindo! É pequeno e todo talhado em esmeralda, datado do séc. XIV. Vale a pena!

Partindo do Grand Palace, fomos direto para o Wat Pho, o templo do Buda deitado. Esse templo é bem menos glamuroso, exigente na questão de roupas, e principalmente, vazio (o que amamos). Lá conseguimos ver tudo com muito mais calma e tranquilidade, e o que foi melhor, conseguimos tirar muitas fotos sem precisar nos preocupar com os outros turistas. Ao chegarmos lá, entramos por um portal que dava em um amplo corredor com vários Budas dourados. Acho que ficamos nesse corredor pelo menos uns 40 minutos tirando fotos!

As estátuas nos templos de Bangkok impressionam pela beleza e pelo tamanho.
As estátuas nos templos de Bangkok impressionam pela beleza e pelo tamanho.

A principal atração deste templo é o Buda deitado. Que é uma estátua com nada mais, nada menos do que 43 metros de comprimento. Ao final do Buda, encontramos vários vasinhos, cerca de uns 100 se não me engano, nos quais podíamos depositar moedas e realizar pedidos. Não custava quase nada, né? Joguei uma moedinha em cada um hehehe!

O "Buda deitado", estátua de 43 metros de comprimento.
O “Buda deitado”, estátua de 43 metros de comprimento.
Os “pezinhos” do Reclining Buddha
Os “pezinhos” do Reclining Buddha

Bom, o primeiro dia não terminou exatamente com a visita aos templos. Ainda fomos no final do dia à Koh San Road, uma famosíssima rua em Bangkok com vários bares, restaurantes e feirinhas com muuuitas lembrancinhas legais. Fomos também num spas de peixes e insetos para jantarmos, nossa muita coisa! Maaas, essa parte eu deixo pro próximo post…

Até, galera! ;)

Post anterior

Restaurante Aconchego Carioca, a casa dos bolinhos de feijoada

Próximo post

Como conhecer o Cristo Redentor (ou não!)