normalO que fazerRio de Janeiro

Como chegar na Pedra da Gávea

Esse é o meu primeiro Post aqui no nosso Blog e meu objetivo é sempre dar dicas de como ir a lugares bacanas da maneira mais barata e divertida, sejam eles pontos turísticos super conhecidos ou apenas lugares interessantes. E a primeira dica é a Pedra da Gávea.

Pedra da Gávea

Visão Geral

A Pedra da Gávea é uma montanha localizada no Rio de Janeiro na Barra da Tijuca, estendendo-se pelos bairros do Joá, do Itanhangá e de São Conrado. Com 842 metros acima do nível do mar, é o maior bloco de pedra a beira mar do planeta.
Conhecida como uma esfinge de histórias contraditórias, desperta admiração pela imponência e mistérios. É um dos pontos mais extremos do parque da Floresta da Tijuca e um dos mirantes mais espetaculares da cidade.
O ecossistema local é característico da Mata Atlântica e ainda existem resquícios das matas originais nos pontos de difícil acesso. Podemos observar árvores de todos os portes e uma floresta exuberante na vertente da Barra, onde também é possível encontrar algumas bromélias e orquídeas, como a Laelia lobata, que só é encontrada na Pedra da Gávea. Além disso, na trilha a caminho do topo, existem centenas de árvores de Jaca, que se tornaram uma espécie de “praga” na floresta. Os frutos enormes, quando caem da árvore, quebram no chão espalhando sementes para todos os lados, facilitando a expansão desta espécie.

Pé de jaca

Já a vegetação do topo da montanha está bastante prejudicada pelo próprio visitante. Os resíduos, o descuido e os incêndios (intencionais e os causados pelos balões), estão destruindo este lugar tão especial. Os resíduos atraem animais, como os ratos, que acabam interferindo com a fauna local. O intenso uso das trilhas tem causado grandes erosões em alguns trechos, prejudicando ainda mais a vegetação ao redor. Por isso, seja consciente na trilha! Não crie novos atalhos, não deixe seu lixo por ali e não alimente qualquer animal que apareça no caminho. A água é muito escassa nas partes altas, porém, nas bases é possível encontrar pequenas cachoeiras dentro de florestas densas.

 

Localização e Acesso

A Pedra, como dito antes, se localiza Barra da Tijuca. Porém, seu acesso é pelo bairro de São Conrado. O acesso da principal trilha para a Pedra da Gávea é no final da Estrada do Sorimã que é acessada pela Barrinha (sub-bairro da Barra da Tijuca), onde no final dessa estrada existe uma pracinha onde estacionamos os carros. A trilha começa no final da estrada ao lado direito de um portão verde (número 936). No começo da trilha existe um placa com um mapa e um resumo das informações da trilha que inicialmente passa por um caminho colonial de pedras com alguma ruínas históricas. A trilha começa em um suave aclive e logo no começo passa-se por uma bonita cachoeira, que é chamada de Cachoeira do Sorimã, nos dias mais quente ao final da trilha os aventureiros costumam se refrescar em suas águas.

 

Mapa da Trilha Pedra da Gávea

 

A Pedra da Gávea é hoje uma das montanhas mais frequentada do Rio de Janeiro e talvez do Brasil, mas conta com uma triste estatística: é também a montanha onde acontece o maior números de acidentes no Brasil, estes acidentes muitas vezes são causados por pessoas com pouca ou sem nenhuma experiência que se arriscam andar por suas inclinadas encostas em busca de aventuras, mas infelizmente sem equipamentos adequados e sem a companhia de uma pessoa mais experiente para orientá-los.

A trilha é muito pesada e técnica, e só deve ser feita pelos mais experientes! Demora-se de 2 a 4 horas para se completar o percurso. No final da trilha, tem a escalada da carrasqueira, uma parede com aproximadamente 30 metros de altura.Tenha muito cuidado, já que várias pessoas já morreram no local. Não é à toa que se chama Carrasqueira. É aconselhável o uso de cordas e equipamentos de segurança adequados.

Carrasqueira - Pedra da Gávea

A Subida

Eu e meu grupo resolvemos fazer a trilha a noite para ter a oportunidade de ver o sol nascer lá de cima. Nos encontramos no início da trilha as 2:00h da manhã, todos equipados com lanterna, bom tênis, água e frutas. Já nos primeirs 15 minutos de trilha, 2 pessoas passaram mal e resolveram voltar. O grupo que iniciou com 12 pessoas agora só contava com 10.
Seguimos em fila indiana até que aconteceu a terceira desistência aos 30 minutos. Assim, o meu primeiro conselho é: se você acha que não aguenta caminhar por 2 horas (e pode chegar a 4 horas) em uma trilha BEM inclinada e difícil, com direito a escalada perigosa e tudo, desista logo no início! Ou nem vá. O sentimento de frustração de desistir no meio do caminho é horrível, além de cansativo.

Na parte da escalada a visibilidade era um pouco melhor, já que a lua iluminava nosso caminho. Nessa hora, precisamos muito das nossas mãos, de forma que só quem tinha lanterna de cabeça manteve ela ligada. Além disso, em alguns momentos, uma lanterna pode atrapalhar. Sua vista não se acostuma muito bem com luz parcial. Eu preferi ir na frente, sem lanterna, pra permitir minha vista se acostumar no escuro e eu pudesse enxergar melhor os obstáculos.
Confesso que eu também pensei em desistir no meio do caminho. Mesmo sendo noite, minha camisa estava encharcada de suor e o excesso de água que eu tomei no caminho pesava na barriga. E quando eu lembrava que eu teria que descer depois, entristecia. Se minhas coxas e batatas da perna já estavam tremendo e super rígidas agora, não queria imaginar o que aconteceria na descida com meus joelhos!

Outro grupo passou por nós em uma velocidade maior. No início ficamos com um pouco de medo. Já sabiamos que algumas semanas antes um grupo havia sido assaltado nesta trilha e, no caminho, não encontramos nenhuma espécie de segurança além de um guarda desarmado que estava no portão inicial do caminho. (Saiba mais sobre o caso do assalto)

Porém, esse medo passou logo quando vimos que se tratava de adolecentes. Mas o medo mudou! Eles carregavam uma caixa de som com funk tocando alto e isso poderia ameaçar nosso sossego no topo da montanha! (Mas pra nossa sorte, eles não escolheram o mesmo lugar que a gente pra apreciar a vista)

Ao chegar no topo, a sensação de que tudo valeu a pena!

Vista noturna - Pedra da Gávea

O coração bateu forte e foi inevitável não pensar involuntariamente “O Rio de Janeiro continua lindo”!
Realmente essa era a sensação de morar em um dos lugares mais lindos do mundo! Mas a gente ainda não tinha visto tudo. O melhor ainda estava por vir…

Deitamos na pedra olhando o céu e sentindo o frio do vento noturno.
Conversamos um pouco, olhamos mais a paisagem e esperamos o sol.

E gradualmente ele foi surgindo.

Pedra da Gávea - Amanhecer

Pedra da Gávea - Amanhecer

Pedra da Gávea - Amanhecer

Pedra da Gávea - Amanhecer

Pedra da Gávea - Amanhecer

Pedra da Gávea - Amanhecer

Acho que não há mais o que explicar sobre essa vista. Chegou a descer uma lágrima do meu olho olhando isso.

Ao descer, como previsto, meu joelho começou a doer. A melhor coisa é descer de vagar pra não forçar muito seus músculos e ossos da perna. E me deu pena quando passou por nós um grupo de 40 pessoas, no final da trilha de descida, onde haviam pessoas que já estavam cansadas e usavam bastões pra se apoiarem! Um casal que estava caminhando por 15 minutos nos perguntou: “Falta muito? É muito difícil ainda?“. Eu não pude mentir! Eles nem tinham começado a trilha de verdade! Ainda estavam em uma parte onde ainda havia uma rua de pedras, só com rampa! E a pena deles piorou quando, uma hora depois, no ónibus, na sombra, eu suava e sofria em um calor de 36º! Imaginei aquelas pessoas tentando escalar a parte da Carrasqueira, onde não há sombra e a pedra esquenta!
Coragem eles tinham, pelo menos! E mais do que eu!

Post anterior

VÍDEO Parque do Rio Cocó - Fortaleza

Próximo post

Viagem: Ilha Grande, DIA 02 – Meia Volta

Comentários

  1. Não aguentaria fazer esta trilha. Não tenho experiência alguma com longas caminhadas em lugares de difícil acesso, mas adorei este post! Fotos perfeitas! Realmente o RJ é uma cidade espetacular que sempre nos reserva boas surpresas! Fotos divinas e um ótimo texto!

    1. Valew Lu! Que bom que gostou! O Rodrigo Paes é meu novo parceiro como Co-autor do blog Intrip e o cara já arrebentou na estreia aqui, não é mesmo?! Ele vai sempre procurar dar essas dicas de caminhos mais roots! Pq o cara é um mestre Jedi das viagens roots! Olha que eu já me considerei bem roots..mas o Rodrigo é o cara…hehe…Vai agregar bastante aqui com suas histórias….vide esse primeiro post!

  2. Adorei o passeio, mas tbm achei a trilha bem puxada.. mas sempre é bom saber que existe outras possibilidades!

    A trilha qdo feita em grupos menores, tipo.. 3 ou 4 pessoas, tem algum risco.. na questão da segurança durante o trajeto? tipo assaltos e tal.. pq segurança com relação ao uso correto de equipamento e presença de guia, já ficou claro no post que é muito recomendado.
    =)

    1. Olá, Bruna!
      Bem, acho que depende da hra que você vai… me parece que durante o dia há mais movimento pela trilha, então, supostamente pode ser mais seguro. Apesar de não termos tido problemas indo de madrugada, eu não me sentiria muito seguro de ir com apenas mais 3 pessoas não.

  3. Super encararia essa caminhada, amei as fotos do visu! Na verdade há tempos que quero fazer essa trilha, mas cadê a galera pra animar? Já fiz uma travessia de Boa Esperança ao Sana, foram 10 horas de caminhada pelo alto da serra queimada, e outras caminhadas mais puxadas tbm, em Três Picos- Salinas, onde tbm escalei uma via no capacete, uma das montanhas de lá. Acho que a maior das intempéries pra mim, que mora na serra, seria a temperatura… teria que ser na madruga tbm!

  4. Fábio e Rodrigo pireeeeeeeeei nessa trilha. Preciso muito fazer isso,hahaha; Pena que nem é tão fácil né, mas tudo tem uma recompensa!! Beijos e parabéns pelo excelente post!

    1. É Monique, realmente essa trilha não é tão simples, mas é bem possivel ser feita desde que com muito cuidado. É preciso também um pouco de preparo físico, quem estiver muito sedentario vai ter dificuldades. A Pedra da Gávea é uma das montanhas que mais tem acidentes no Brasi, justamente por parecer relativamente fácil e por ter acesso tranquilo para pessoas comuns (sem experiência em montanhismo). Mas, vale muito a pena, pois o visual é fantástico!

    1. É Tatiane, realmente é legal ir em grupo e realmente se for a primeira vez não é uma boa ir a noite. O Legal é ter alguém que já tenha conhecimento da trilha! Mas é muito bacana!

  5. convidei alguns amigos para ir la amnha, não sabia que tinha todos esses riscos porem todos sáo sem experiencia, com certeza ninguem sabe nem como chegar. Poxa camarada da uma luz ae. vamos com a gente? rsss… abraços;

  6. Acho que acabei de desistir … estou indo ao Rio dia 13 e esta trilha fazia parte dos meus planos, eu nunca fiz uma trilha antes, essa de primeira nao é uma boa ideia né?? Eu iria de manha =/

    1. LArissa, indo pela primeira vez o ideal é que você vá com alguém que conheça a trilha e/ou que seja experiente nesse tipo de passeio! E caso vá..sim, melhor ir de manhã, apesar do calor, é bem mais seguro! Mas existem outras trilhas bacanas no Rio e bem mais tranquilas…trilha do “morro 2 irmão”, subida do Pão de Açucar através da pista Claudio Coutinho e muitas outras! o Rio tem vários lugares ótimos! Boa viagem!

  7. Eu ja participei de uma que mudou totalmente o meu ponto de vista,eu não gostava tanto de fazer trilha,mas quando eu fui na pedra da Urca eu admirei muito as paisagens e acabei gostando.
    A segunda trilha que eu vou fazer vai ser da pedra bonita,vou me preparar e chamar alguns amigos para participar dessa trilha maravilhosa. Parabéns pelas fotos, farei de tudo para tirar uma foto nessa paisagem linda que é o nosso Rio de Janeiro. abraços